Seguidores

terça-feira, 29 de dezembro de 2009









segunda-feira, 6 de abril de 2009

CIVILIZAÇÃO




O que tem mais cabimento,

Deslizar na canoa

Pelo rio barulhento

Ou ficar preso

no congestionamento?



O que é menos boboca

morar numa oca

Comendo paçoca

Ou viver rabujento

num apartamento



Qual a melhor cena

crescer numa aldeia

Enfeitado de penas

Ou numa cidade

cheia de antenas?



O que é mais civilizado

Deitar numa rede

E ficar sossegado

Ou correr contra o tempo

Sempre apressado?



O que é mais coerente

Viver no presente

Sempre contente

Ou viver no escuro

planejando o futuro



O que é menos primata

Andar pelado no meio da mata

Ou se apertar

Com um nó de gravata?



O que dá mais arrepio

Tomar banho no rio

mesmo no frio

Ou a assombração

Chamada poluição?



O que é mais desolado,

Um cocar emplumado

E o corpo pintado

Ou ser um cara pálida

Com ar desbotado?



O que é mais sensato

Correr pelo mato

Sem usar sapato

Ou ter chulé

E criar calo no pé?



Responda agora pra valer

melhor parecer,

com os alienígenas

Ou aprender

Com os indigénas!



( Cláudio Fragata)


domingo, 15 de março de 2009

Atividades Páscoa






















Páscoa- Explicando a Páscoa para as crianças



Passo a passo:


1. Informe-se sobre a história de Jesus e o significado da Páscoa. Você pode ler a Bíblia ou pedir ajuda a um líder religioso de sua comunidade. Um catequista também pode ajudar, já que ele é familiarizado com a educação infantil

2. No dia de Páscoa ou nos dias que antecedem a Semana Santa, reúna um grupo de crianças (estudantes, filhos, primos e amigos) e organize-os em um círculo ou meio círculo em uma sala tranqüila e arejada

3. Converse com as crianças de forma tranqüila e pausada, descrevendo a elas cada uma das ações que você pedirá para serem feitas

4. Peça que fechem os olhos e toquem o corpo com as mãos. Vá perguntando se elas sentem o calor do próprio corpo e a sua própria respiração

5. Ainda de olhos fechados, peça para que coloquem a mão em seus corações e sintam a pulsação. Explique que isso é uma das formas de deus demonstrar a vida

6. Peça para que as crianças molhem a ponta de um dedo na água. Peça que sintam a sensação "gelada" da água e a secagem do dedo pela ação vento. Isso é uma forma de interação com o ambiente que as cerca

7. Diga para ficarem em silêncio e escutarem outras manifestações de vida ao seu redor: o cachorro que late no quintal, os pássaros que cantam

8. Peça que se observem, vendo os movimentos umas das outras, sentindo a respiração, o piscar dos olhos

9. Peça, então, que as crianças se abracem e se toquem umas às outras, para sentir que os amigos também têm vida

10. Peça para as crianças olharem através da janela e perceberem a vida fora da casa: as pessoas, o céu, as árvores. Fale sobre o universo e toda a vida que há nele

11. Explique às crianças que tudo o que sentiram são manifestações de vida. Converse com elas e incentive-as a falar sobre suas impressões

12. Conte brevemente a história de Jesus, de forma simples e compreensível. Ressalte sua mensagem de esperança e paz, diga quem foi ele, como foi a sua vida e o que ele fez durante sua estada na terra

13. Explique a história da morte de Jesus, afirmando às crianças que ele morreu por amor aos seres humanos, como forma de renovar suas vidas e de tentar torná-los pessoas melhores e mais felizes

14. Explique que o feriado de Páscoa é para celebrar o auge da vida desse homem que viveu há dois mil anos e deixou uma mensagem de amor ao próximo

15. Mostre uma figura alegre de Jesus e evite associá-lo àquelas imagens tristes da Paixão e Crucificação, que podem causar uma impressão ruim, negativa ou até mesmo medo nas crianças

16. Explique que a Páscoa é um dia de encontros, e que a festa fica ainda mais bonita, se o sentimento de amor com os pais, irmãos, amigos e parentes estiver presente

17. Explique que o ovo de chocolate é algo bom e gostoso, que serve para alimentar a todos e que deve ser repartido entre todos, assim como as boas palavras e idéias.

Questões Prova Pedro II 2008

1. De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais, a função principal da avaliação é:

A) atribuir conceitos e graus aos alunos.
B) estabelecer critérios para aprovação e reprovação dos alunos.
C) separar os alunos em grupos fortes, fracos e médios.
D) orientar o processo ensino e aprendizagem
.

2
Num mundo em constante alteração, a educação é a melhor preparação para sermos capazes de nos adaptarmos

Marque a alternativa que melhor situa a posição da escola diante dessa realidade:

A) Prepara o educando para ser capaz de resolver sozinho todos os problemas futuros.
B) Ajuda o educando a desenvolver suas potencialidades, capacitando-o a usar seu pensamento
crítico para transformá-las em realizações efetivas no futuro.
C) Complementa a educação do lar, valorizando mais hábitos sociais úteis no futuro.
D) Valoriza mais o ensino da leitura, escrita e cálculos que serão sempre úteis no futuro.

3
Em cada sala de aula, utilizamos diferentes estratégias para vencermos diferentes desafios.
Buscando aprender, cada criança percorrerá seu próprio caminho. É função do professor
perceber quais caminhos cada aluno seguirá rumo à aprendizagem
.

Assinale o princípio que orienta esta prática:

A) Todos os alunos são capazes de aprender, cada um no seu ritmo e a partir de pontos diferentes,
desde que lhe sejam oferecidas oportunidades para que isso ocorra.
B) Os diferentes ritmos de aprendizagem devem ser respeitados e valorizados, desde que sejam do interesse dos pais.
C) É fundamental que os professores optem por um único caminho e baseiem suas aulas apenas
nele, desde que sejam de uma mesma escola.
D) É necessário que o professor indique acompanhamento pedagógico para o aluno.


4. A legislação educacional brasileira, quanto à composição curricular, contempla dois eixos: uma Base Nacional Comum e uma Parte Diversificada.
A Base Nacional Comum garante uma unidade nacional, para que todos os alunos possam ter
acesso aos conhecimentos mínimos necessários ao exercício da vida cidadã.
A Parte Diversificada visa atender:

A) à capacidade de comunicação dos alunos e seu desenvolvimento como membro de um grupo
social.
B) às peculiaridades locais, aos planos dos estabelecimentos e às diferenças individuais dos alunos.
C) ao estudo da língua como um instrumento de comunicação aplicável a todas as situações.
D) à identificação do núcleo comum.

5.
O movimento da Escola Nova, no Brasil, trouxe contribuições importantes para a Educação. Assinale a opção que não caracteriza a Escola Nova.

A) Inspiração nas idéias político-filosóficas de igualdade entre os homens
B) Proposição de idéias e técnicas pedagógicas renovadoras
C) Conservadorismo e autoritarismo
D) Democratização de ensino baseado na cooperação social e solidariedade

6.
A educação brasileira, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais da solidariedade humana, tem como finalidade:

I) o pleno desenvolvimento do educando
II) a preservação e a expansão do patrimônio da União
III) o preparo para o exercício da cidadania
IV) o preparo para a universidade
V) a qualificação para o trabalho
Das afirmações acima, estão corretas apenas:

A) I, II e IV
B) III, IV e V
C) I, III e V
D) I, II e V

7.
Atualmente, os sistemas de ensino vêm sendo orientados para promover respostas às necessidades educacionais especiais, de acordo com a Política Nacional de Educação Especial, na perspectiva de uma educação inclusiva.

Para promover educação inclusiva, é preciso garantir:

I) formação de professores e demais profissionais para o atendimento educacional especializado
II) acessibilidade urbanística e arquitetônica
III) transversalidade da educação especial desde a educação infantil até a superior
IV) participação da família e da comunidade
V) atendimento educacional especializado
VI) continuidade da escolarização nos níveis mais elevados do ensino

Marque a alternativa verdadeira:

A) Apenas as afirmativas II, III e V estão corretas.
B) Apenas as afirmativas I, IV e V estão corretas.
C) Apenas as afirmativas IV, V e VI estão corretas.
D) Todas as afirmativas estão corretas.

GABARITO 1. D 2. b 3. A 4. b 5.C 6. C 7. D

sábado, 14 de março de 2009

Para concursos

AULA 1: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

Identifique os paradigmas de cada momento histórico:
a) Antigüidade: Filosofia
b) Idade Média: Teocentrismo
c) Idade Moderna: Antropocentrismo
d) Idade Contemporânea: Iluminismo (já existem outros atualmente, ex. neoliberalismo)

Em que contexto histórico a instituição “escola” emerge? E a “escola pública”?

A escola é uma invenção moderna, surge com a necessidade de transmitir o conhecimento científico, oriundo do paradigma antropocentrista.
A escola pública surge a partir da consolidação dos estados nacionais (repúblicas), inspirada nos princípios de liberdade, fraternidade e igualdade (Revolução Francesa
)

Cite o principal marco referencial para a Educação Brasileira. Quais eram os seus princípios?

1932: Manifesto dos Pioneiros da Escola (ou da Educação) Nova. Os princípios são: escola pública, gratuita, obrigatória e laica (desvinculada da religiosidade).

Qual a importância do educador Paulo Freire para a Educação Brasileira?

Paulo Freire se empenhou em promover uma educação em prol dos movimentos populares, que por conta do fracasso escolar, haviam sido excluídos dos processos de escolarização. O educador pregava a idéia de que a educação é um ato político, pois promove a libertação do indivíduo da condição de oprimido (imposta pelo sistema capitalista). Inicia seu trabalho com um campanha regional de alfabetização, em 1961, no Rio Grande do Norte (“De pé no chão também se aprende a ler”), cultivando um sentimento nacional a serviço do povo. Seu método de alfabetização se baseava na palavra geradora, oriunda do universo vocabular dos educandos.

Quais as principais características das legislações brasileiras?

Lei nº 4024/61 – Exame de Admissão (passagem do primário para o ginásio). Nomenclatura: Primário, Ginásio, Colégio e Ensino Superior.
Lei nº 5692/71 – Tecnicista e “Educação Moral e Cívica”. Nomenclatura: 1º, 2º e 3º graus.
Lei nº 9394/96 – Democrática, descentralizadora e popular. Nomenclatura: Ensino Fundamental, Ensino Médio e Educação Superior.

Desenhe o organograma de tendências pedagógicas de acordo com ARANHA:

LIBERAIS PROGRESSISTAS/SOCIALISTAS
Tradicional Reprodutivistas (transitória)
Nova (ou Renovada) Libertária
Tecnicista Libertadora
Crítico-social dos conteúdos
OBS: Não aprofunde!!!

Sinalize alguns teóricos e seus respectivos pensamentos citados no livro “História da Educação” de Maria Lúcia Aranha:

Froebel
Criador dos Jardins de Infância
Dewey
Escola pragmática (prática)
Decroly
Centros de Interesse
Montessori
Atividade com liberdade (rodízio)
Skinner
Behaviorismo (condicionamento)
Paulo Freire
Educação é um ato político


EXERCÍCIOS DE CONCURSOS

1. (Mesquita, 2006) Ao longo dos séculos a educação escolar tem sofrido significativas mudanças. Sobre a educação escolar indique a afirmativa correta:
(a) A educação escolar define-se como o único espaço informal na sociedade;
(b) A idéia de escola pública e obrigatória ganhou impulso no século XVIII E XIX;
(c) A educação escolar sempre foi obrigatória para toda população brasileira;
(d) A educação escolar foi a modalidade de educação na idade média;
(e) A educação escolar não promove qualquer tipo de controle social sobre os indivíduos.

2. (Niterói, 2003) O Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova, elaborado em 1932, expressou algumas das tensões entre os educadores conservadores e renovadores. Considere as idéias expressas pelos renovadores no Manifesto:
I - O Manifesto criticou reformas parciais e apontou a necessidade de se elaborar um plano que desse unidade à política educacional. Os renovadores esclareceram, entretanto, que unidade não significava uniformidade. Unidade nacional pressupunha o respeito à multiplicidade e não a adoção de um centralismo estéril.
II - O Manifesto apontou a importância da autonomia da função educacional. Para tanto, os renovadores defenderam a necessidade da criação de um fundo que garantisse verbas exclusivas para a educação, que não oscilassem conforme o interesse do governo ou da situação financeira da época.
III - Os renovadores, preocupados com a qualidade do ensino, defenderam o monopólio da educação pelo Estado, para garantir uma formação consistente para todos os cidadãos, independente da classe social, religião ou gênero.
IV - A educação no Manifesto assumiu uma verdadeira função social. Os renovadores defenderam que a educação deveria possibilitar as mesmas oportunidades a todos, independente do grupo social. Assim, seria possível formar uma “hierarquia democrática” pela “hierarquia das capacidades”.
Pode-se afirmar que está correto o que se diz nos itens:
(a) I, II, III e IV;
(b) I e II;
(c) I, II e III;
(d) I, II e IV;
(e) III e IV.

3. (Rio de Janeiro, 1997) No contexto do início dos anos 30, a luta ideológica travada em torno da educação demarcou duas posições distintas entre os educadores. O grupo ligado à Associação Brasileira de Educação (AEB), movimento renovador que defendia a laicidade do ensino, a institucionalização da escola pública e a co-educação elaborou um documento, publicado em 1932, denominado como Manifesto:
(a) do Pau-Brasil.
(b) da Educação Nova.
(c) ao Povo e ao Governo.
(d) da Educação Renovadora.

4. No contexto do final dos anos 50 e início dos anos 60, tornou impulso no Brasil entre outros, o movimento educacional por uma educação popular, dedicado principalmente a educação informal e a educação de jovens e adultos. No início de 1964 destacou-se nesse movimento a Campanha Nacional de Educação de Adultos, dirigida por:
(a) Paulo Freire;
(b) Anísio Teixeira;
(c) Lourenço Filho;
(d) Florestan Fernandes;
(e) Fernando de Azevedo.

5. (Estado, 2007) A organização dos sistemas nacionais de ensino data de meados do século XIX. Essa organização inspirou-se no princípio de que a Educação é:
A) um elemento de exercício da democracia
B) uma prática social de responsabilidade de toda a sociedade
C) uma prática social destinada a formar as elites
D) obrigação de todos e dever do estado
E) direito de todos e dever do estado

6. (Eletrobrás, 2006) São princípios da Escola Nova, sob os quais se desenvolveu toda a sua linha de ação educacional, exceto:
a) respeito à personalidade do educando.
b) a defesa do prioritário ao saber pensar e não ao saber fazer.
c) reconhecimento de que o educando precisa de liberdade.
d) a defesa de que o indivíduo deve ter uma base de educação comum.
e) a proposição de ser uma escola comunitária que se propunha por uma forma de vida e de trabalho em comum.

7. (Estado, 2007) O “Manifesto dos Pioneiros”, um marco da transformação da Educação Pública Brasileira, se opunha:
A) à visão tecnicista da Educação
B) à visão libertária da Educação
C) à visão transformadora da Educação
D) à visão tradicional da Educação
E) aos princípios da Escola Nova

8. (Pedro II, 2006) Muitos procedimentos pedagógicos que são praticados hoje, em nossas escolas, tiveram origem na Pedagogia Nova, corrente acolhida no Brasil desde os anos 30 do século XX, a respeito da qual são feitas as afirmativas que se seguem:
I – As escolas católicas, que tiveram uma forte influência na Educação Brasileira ao longo do século XX, rejeitaram a Pedagogia Nova.
II – O escolanovismo foi absorvido pelo educador Paulo Freire, no âmbito dos movimentos populares.
III – Durante os anos 60, versões mais cientificistas e psicologizantes do escolanovismo substituíram as idéias de base.
IV – A Pedagogia Tecnicista incorporou o escolanovismo com o apoio do regime militar que incentivou o aprofundamento dos movimentos da educação popular.
São corretas, apenas, as afirmativas:
a) I e II
b) I e IV
c) II e III
d) III e IV
e) I, II e III

9. (Pedro II, 2007) O movimento Escola Nova ganhou impulso no Brasil após a divulgação do documento denominado Manifesto da Escola Nova, que defendia:
A) a busca da liberdade como meio de superar as contradições do ensino tradicional.
B) a proposta de um ensino organizado por disciplinas.
C) a universalização da escola pública, laica e gratuita.
D) a preservação das classes populares do contato com a cultura dominante.

10. (Marataízes, 2007) A ditadura militar, sob o vácuo deslocado pela destruição das entidades que apoiavam os movimentos da educação popular, criou em 1967, um programa destinado à alfabetização em massa, denominado:
a) AI-5 (Alfabetização Integral);
b) UNE (União Nacional da Educação);
c) LDBEN (Lei de Diretrizes e Bases da Educação);
d) MOBRAL (Movimento Brasileiro de Alfabetização);
e) GTRU (Grupo de Trabalho da Reforma Universitária).




GABARITO: 1. B; 2. D; 3. B; 4. A; 5. E; 6. E; 7. D; 8. C; 9. C; 10. D.

domingo, 8 de fevereiro de 2009

As Sete Saúdes do Professor (Silas Correa Leite*)


“...O verão há de virMas virá só para os pacientesQue aguardam num grande silêncio corajosoComo se diante deles estivesse a eternidade...”Rainer Maria RilkePara o Poeta Paulo Benedicto Pinheiro(In Memoriam)


O professor, mais do que ninguém, a cada ano letivo, incorpora a sua nova e preciosa cota de recursos humanos, cada vez mais fragilizados pelas múltiplas falências (Deus, família, sociedade, consumo). Mesmo ganhando muito menos do que deveria (tem de ser inteligente para passar num concurso público difícil e algo bobo para aceitar o que o estado neoliberal paga), praticamente vive dançando no fio da navalha do seu encargo e entorno sociocultural com carências múltiplas também (escola pública camuflada em seu proposital sucateamento; classe média falida pelas resultantes do último amoral e inumano plano econômico). Por isso, tem de estar cada vez mais afinado com as chamadas Sete Saúdes. Como profissional de alto gabarito que sempre precisa ser e mostrar que é — afinal, todo mundo teve um maravilhoso professor na vida — e, sem dúvida alguma, como ser humano desta safra contemporânea, mas, acima de tudo, com respeito profissional próprio, o professor tem de estar antenado, se reciclando sempre, e ainda cuidar do corpo para a mente estar com amplitude ativa e a aula ser gostosa dentro do processo de ensino–aprendizagem, já que quem sairá ganhando será a clientela escolar carente, sempre fito precípuo da educação como um todo.
01. Saúde Físico-mentalO professor tem de andar rotineiramente e com prazer; fazer exercícios orientados e caminhadas sadias; relaxar da correria rotineira, cotidiana; viajar sempre que possível; passear aproveitando a caminhada; talvez fazer ioga; procurar alimentar-se bem e dormir tranqüilo; fazer terapias, se preciso for, para segurar o árduo batente do trabalho pesado em duas ou mais escolas, tentando sobreviver e permanecer ético para sonhar com um humanismo de resultados, sob o enfoque de uma visão plural-comunitária que lhe deve ser inerente, peculiar.
02. Saúde FamiliarO professor tem de ter um estabelecimento residencial muito além de um simples endereço residencial com número ou código de área, uma casa gostosa para chamar de sua, um pacífico lar, doce lar, pois o hábitat de um ser humano é quase a sua pele vivencial mesmo. Procurando morar razoavelmente bem, em espaço tranqüilo, o professor terá o seu refúgio para cismar e pensar com a devida serenidade para, assim, sempre no aconchego do lar, repor as energias em seu espaço todo próprio para ser referencial.



03. Saúde FinanceiraO professor tem de saber gastar, poupar, economizar, pesquisar preços, sacar abusos midiáticos na área consumista, evitar gastos desnecessários, mas, ainda assim, ter a consciência de que o ofício é uma espécie de missão. Procurar, na medida do possível, fazer o que gosta nesse campo de trabalho, pois, na verdade, nunca vai ganhar bem como deveria e precisa. Então, não pode entrar nessa de consumo desenfreado, apesar de precisar ter uma vida minimamente digna, que o exemplifique como a importante figura histórico-social que tem sido desde os primórdios dos pedagogos da Grécia antiga.
04. Saúde SocialO professor é um ser social (Kant), como é também um animal político (Sócrates). Portanto, deve saber mais do que ninguém cultivar amigos de qualidade — que são ótimos seres humanos, principalmente —, freqüentar um clube para espairecer, ter um convívio sociofamiliar de qualidade, ser participativo socialmente, falando também fora da sala de aula e da unidade escolar, comprar causas pela paz e convivência harmoniosa e bancar mudanças ético-humanitárias, como o ser cidadão que é, com uma visão de justiça que o qualifique e represente bem.
05. Saúde IntelectualO professor pensa, logo, é docente, logo, existe e, por esse afazer, multiplica a informação, reproduz a ciência, pesquisa a dúvida, domina a técnica salutar, é politizado porque vota bem e certo, precisa ler jornal todo dia, ler ótimos livros — a melhor pedagogia é o exemplo —, fazer cursos o tempo todo, ficar atualizado e atuante, ir ao cinema, curtir novidades, ouvir uma boa música que o nutra, montar exposições de afazeres peculiares, assistir a palestras de novas metodologias e técnicas instrumentais para a docência contemporânea, demonstrar que é um profissional acima da média e que, por isso, pode exigir muito no seu foro de debate representativo, com boa dialética e conhecimento da causa que abraçou com méritos e perspectivas.
06. Saúde EspiritualSim, o homem tem razão, mas tem alma; logo, é um ente espiritual. Imagine-se então um professor, que é educador, mestre, referencial de qualquer meio. Precisa cuidar da alma, não necessariamente só pelo viés de uma igreja — “ama a teu próximo como a ti mesmo”, diz a filosofia dos evangelhos —, mas ter a consciência tranqüila e a fé em Deus, a sensação do dever cumprido, de ter dado o melhor de si, de ter feito o seu melhor, de ter sabido lidar com os seus alunos com tantas seqüelas sociofamiliares, de não precisar ser cobrado para ser completo e idôneo, fazer ações comunitárias, fundar ONGs que pensem em responsabilidades cidadãs entre riquezas injustas, lucros impunes, propriedades, roubos; afinal, como dizia Saint-Exupéry, o essencial, que às vezes é invisível aos olhos, se vê bem com o coração...


07. Saúde ProfissionalE, por fim, o professor tem de estar afinado com a cultura, as artes em geral e, principalmente, com as áreas de sua matéria-conteúdo. Estar sempre alerta e reflexivo, estudar sempre — como em qualquer profissão —, buscando se especializar em múltiplas didáticas; programar aulas variadas, gostosas — o aluno tem direito a isso; trocar idéias com colegas de mister, sendo representativo de seu meio, com uma releitura toda própria das “aprendências” e dos letramentos, como instrumentos de evolução, como profissionais de carreira que querem deixar sua marca, deixar seu lastro, fazer o melhor sempre. Afinal, alunos são mensagens de amor que mandamos para o futuro, e somos partes essenciais do verbo “ensinar-aprendendo”.Professor, caia na real. Respire, não pire. Relaxe, não ache (chega de “achismos”). Medite, não dite. Abrace, não force. Você é o mais importante átomo do todo que é o Universo. Se aceitou essa obrigação, não se desgaste nem brigue, obrigue-se. Odeie o ódio. Refaça o fácil. Não reclame, ame. Faça de sua vida uma tábua de esmeraldas. Afinal, somos todos anchietas nessa seara de formadores de opinião, de questionadores de políticas ímprobas do poder público, mas devemos também dar os nossos exemplos de vida e sermos fiéis aos nossos sábios propósitos, com amor e com saúde, muito além de uma solidão incendiária, mas sempre como grãos de mostarda dentro do coração dos alunos, que são templos de nossa sagração existencial de vida humana.O sucesso de todo grande profissional realizado é porque teve um ótimo professor lado a lado...

Saúde, professor!