Seguidores

quinta-feira, 26 de junho de 2008

História das olímpiadas










História das olímpiadas


DEUSES E HOMENS
Os gregos inventaram os Jogos Olímpicos há mais de 3 mil anos. Durante esse tempo, muitas histórias foram criadas para explicar como surgiu um dos eventos esportivos mais importantes do mundo.


Uma delas diz que Hércules, filho de Zeus, o deus supremo, matou um homem em um dia difícil, por um motivo bobo. Arrependido, ele criou as Olimpíadas para pedir desculpas ao pai e aos outros deuses.

Na verdade, os gregos inventaram os jogos para exibir suas habilidades e agradar aos deuses do Olimpo, um monte sagrado que era a morada das antigas divindades gregas. Criaram então quatro grandes festas, das quais as Olímpias - que aconteciam na cidade de Olímpia, onde havia um templo dedicado a Zeus - eram as mais importantes. O primeiro registro desses jogos é de 776 a.C. (antes de Cristo).
Os gregos foram impedidos de continuar a festa quando os romanos dominaram a Europa, por volta do século II antes de Cristo.

Os implicantes romanos achavam que as Olimpíadas não tinham a menor importância e que os gregos deviam trabalhar para eles... como escravos!

Os jogos entraram em decadência, até que um imperador mandou derrubar os templos e o estádio de Olímpia.

Você sabe quem resgatou a tradição dos Jogos Olímpicos para os dias de hoje? Foi um barão que era louco por esporte...



O BARÃO QUE AMAVA O ESPORTE


Resgatar os jogos para os dias de hoje foi idéia do parisiense Pierre de Fredy, conhecido como Barão de Coubertin (1863-1937).
Provável autor da frase "o importante não é vencer, é competir", ele queria trazer de volta a tradição olímpica para incentivar o esporte e, quem sabe, ajudar na união dos povos.
Em 1894, o Barão de Coubertin criou, junto com representantes de 15 países, o Comitê Olímpico Internacional, o COI. Foi uma correria, mas em 1896 tudo estava pronto para a realização dos primeiros Jogos Olímpicos da era moderna.
Os jogos foram abertos no estádio de Atenas pelo rei George I, da Inglaterra, com a participação de 285 atletas.A partir de então, as Olimpíadas são realizadas sempre de quatro em quatro anos. Esse também era o intervalo entre uma Olimpíada e outra na Grécia antiga.

O barão e seus colegas do COI criaram várias regras e símbolos, que são usados até hoje. A bandeira olímpica, com cinco anéis representando os continentes, entrelaçados sobre um fundo branco, é o símbolo da integração dos povos. Ela traz o lema olímpico "Citius, Altius, Fortius" (Mais Rápido, Mais Alto, Mais Forte).
Para reviver o espírito dos jogos gregos, criou-se a tradição da tocha olímpica, que é acesa todos os anos no lugar onde existiu a cidade de Olímpia, descoberto pelo arqueólogo Ernst Curtius.
A tocha sempre é levada de Atenas, capital da Grécia, até a sede dos jogos, se possível por terra, por meio de um revezamento de atletas. Um atleta do país organizador é então encarregado de acender a pira olímpica com a tocha, que permanecerá acesa enquanto durar a competição.
Foi também Coubertin que teve a idéia de criar a cerimônia de premiação depois de cada prova, quando os melhores atletas recebem medalhas de ouro, prata e bronze.O COI decidiu ainda que apenas quatro modalidades de esportes poderiam registrar recordes olímpicos: tiro, atletismo, natação e halterofilismo (levantamento de peso).





Os aros olímpicos foi uma idéia do francês Pierre de Fredi, o Barão Pierre de Coubertin (1863-1937), em 1913. O pequeno círculo era compostos por cinco cores: azul, amarelo, preto, verde e vermelho, interligados sobre um fundo branco.
O simbolismo dos anéis entrelaçados representa à união dos cinco continentes e pelo menos uma de suas seis cores, incluída a branca, está presente na bandeira de cada um dos países filiados ao COI. A idéia é que os atletas busquem superar os próprios limites, assim, a cada evento serem alcançados novos recordes.A cor de cada aro corresponde a um continente: Azul a Europa; Amarelo a Ásia; Preto a África; Verde a Oceania; Vermelho as Américas. É a principal representação gráfica dos Jogos Olímpicos e a marca do próprio Comitê Olímpico Internacional. A marca do Comitê Olímpico Brasileiro une os aros olímpicos à Bandeira Nacional.

4 comentários:

Pedagogia do afeto disse...

Passei pra desejar um final de semana alegre.
Acabei de atualizar os blogs com novas postagens.
Bjinhuxxxxxxxxx

CÍNTIA disse...

Oi Déborah...

Passei para te desejar um excelente domingão!!!!!!!

Bjos mil e saiba que, sua visita é muito importante para mim.....

Cíntia Maciel

ARTEROSANE disse...

Muito legal seu blog!!!
Adorei!!!

Jack Mariano disse...

Adorei!!
muito util